Blog da Tratore – Jazz e os novos representantes do estilo no país

O jazz surgiu nos Estados Unidos mas por onde passou pegou um pouco da cor e do sabor local. No Brasil também, a música instrumental e o jazz são muito nossos e abaixo você confere três discos de jazz e instrumental que a Tratore está lançando agora. 

 

Vittor Santos – Arranjador, compositor, trombonista, produtor, Vittor Santos convive com a música desde sempre. Fascinado pelo acervo fonográfico da família, teve acesso à música brasileira através de Sílvio Caldas, Nélson Gonçalves, Anísio Silva e outros. Vem participando como instrumentista ou arranjador em discos ou shows de artistas como: Chico Buarque de Hollanda, Caetano Veloso, Leny Andrade, Gal Costa, Moraes Moreira, Miltinho, Elza Soares, Ivan Lins, Francis Hime, Leila Pinheiro, Fátima Guedes, Mário Adnet, Maria Schneider, Hamilton de Holanda, Ricardo Silveira, Ed Motta, e muitos outros. Participou de algumas das últimas gravações do saudoso maestro Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, de quem nutre profundo respeito e admiração. Afinal, nasceram com o mesmo dom e no mesmo 25 de janeiro. O seu mais recente trabalho, o álbum “Co(n)vivências” foi feito em clima de sarau, daí a analogia de seu título, jogando luz num processo de realização artística no qual se preserva a interação mútua e vivaz. Gravado num único dia no formato “1, 2, 3, 4… estamos juntos”, Vittor é acompanhado de um quarteto formado por Pedro Milman (piano), Fernando Clark (guitarra), Rômulo Gomes (contra-baixo) e Antônio Neves (bateria). O grupo se envolve numa interação fluida, fala a mesma língua e assim estabelece o princípio que governou sua concepção.

3G TrioFilhos de três dos maiores nomes do cenário musical brasileiro, Adriana Godoy, Tico d’Godoy e Frederico Godoy unem sua paixão pela música em um trabalho original. Influenciados pelos pais Adylson, Amilton e Amilson Godoy, desde sempre a música esteve presente em suas formações pessoais e profissionais, e assim os primos colocaram na estrada sua intimidade familiar e artística. Adriana mostra toda sua versatilidade e força vocal de seus mais de 15 anos de carreira como cantora, onde trabalhou com grandes nomes da MPB como Carlos Lyra, Joyce, Zimbo Trio, entre outros. Tico, tocando há 20 anos traz seu ecletismo musical que o moldou como saxofonista estando a frente de bandas como o grupo instrumental Trincheira e as bandas Quasímodo e GroofBoogaloo. Já Frederico escreve sua história há mais de uma década como pianista, onde além de seu trabalho como compositor e arranjador, acompanha também a Orquestra Sinfônica Arte Viva. Voz, sax e piano. Três sons, três caminhos, uma nova geração.

Âmago Trio – O Âmago Trio nasceu em 2011, formado pelos amigos e até então colegas de universidade Vinicius Bastos (piano), Raul Rodrigues (bateria e percussão) e Pedro Destro (baixo elétrico). O grupo começou explorando a improvisação livre e logo passou a utilizar outras fontes artísticas como inspiração para os improvisos: contos, pinturas, cenas de filmes e poesias. O trio também passou a tocar conhecidas canções da música popular brasileira e standards de jazz, porém com a personalidade do grupo, sem se prender às convenções que caracterizam os estilos, proporcionando releituras inovadoras e inesperadas de temas clássicos. Com o tempo o Âmago Trio decidiu transformar alguns de seus improvisos registrados em composições propriamente ditas, através de um processo de cristalização da execução e dos arranjos. Nos dois anos seguintes, o Âmago Trio produziu diversas sessões de gravação com importantes músicos como o violeiro João Arruda, a cantora Sinhá, do grupo Urucungos, Puitas e Quijengues e o percussionista argentino Dario Rondan. Contemplado em 2013 com o edital FICC (Fundo de Investimento de Cultura de Campinas), o grupo gravou seu primeiro disco “Âmago Trio” (2014), com participação de renomados músicos brasileiros como Mônica Salmaso, Teco Cardoso, Toninho Ferragutti e Célio Barros, e de parceiros já citados como Thomaz Souza, João Arruda, Maria Beraldo e Chico Santana. Além dessas participações, o grupo contou com a masterização e a pós-produção de André Mehmari.