Série Vinil: 7 dicas de masterização, segundo Arthur Joly

arthurjoly1_fotoporgustavoruizchagas

por David Dines

Com o recente ressurgimento do consumo de vinil, muitos artistas e bandas se interessaram em produzir lançamentos também no formato bolachão. A crescente demanda, que tinha atendimento possível apenas por empresas europeias, levou à criação de uma fábrica no Rio de Janeiro em 2009 e outra em São Paulo neste ano. E o blog da Tratore abordará o vinil e suas peculiaridades em alguns dos próximos posts.

Ter um bom lançamento em vinil depende de uma masterização feita especialmente para o formato, já que diversos parâmetros digitais são inadequados para o corte de um LP ou compacto.

Quem nos dá algumas dicas na preparação do áudio de um disco é o produtor e engenheiro de masterização Arthur Joly. Cabeça do selo Reco-Head, Joly já trabalhou em estúdio com artistas como Elza Soares e Monique Maion, e masterizou de forma analógica álbuns de O Terno, Mahmed, Mariana Aydar e Mustache e os Apaches. Além disso, também produz projetos próprios de música eletrônica e trilhas sonoras. Confira:

  1. Não comprima demais

Segundo Arthur Joly, uma característica presente nas masterizações digitais que é inadequada para o vinil é a grande quantidade de volume e compressão utilizada.

O produtor explica que o processo de masterização, quando surgiu para o vinil, ocorria no ajuste de volumes e equalizações durante a passagem das mixagens analógicas para uma fita de rolo que agruparia o lado inteiro do álbum. A intenção era a tornar as mixagens mais coesas. “Com as produções em home studios e a facilidade da gravação digital, muitas masters passaram a ser corretivas ao invés de artísticas. Ou seja, o engenheiro de master na era digital passou a ser o salvador das trapalhadas feitas em estúdio, além de um utilizador de limiters para deixar o som cada vez mais alto”, conta Joly.

Portanto, não coloque limiters em excesso ao masterizar para esse formato. “O vinil não quer receber o seu som achatado. Isso é um pecado para esse tipo de mídia”, ressalta.

  1. Abaixo de 150Hz não deve existir nada em estéreo

A produção digital oferece grandes possibilidades de uso de subgraves e graves, mas, como o áudio do vinil é “cavado” no disco e reproduzido a partir do contato físico entre LP e agulha, esse tipo de frequência causa uma irregularidade indesejável na produção do sulco. “O que vai ocorrer fisicamente é o pulo da agulha na hora do corte da matriz”, afirma Joly. Vale a pena, então, manter essa faixa de graves em mono e sem efeitos de modulação como phaser, por exemplo.

  1. Evite agudos extremos

“Muito agudo pode danificar a cabeça de corte, então essa faixa de frequências será cortada com De-Esser (técnica de equalização que atenua agudos próximos ao sibilado da voz humana)”, conta. Portanto, se quiser ouvir exatamente o que mandou para a fábrica ou engenheiro de corte, não exagere.

  1. Escolha as músicas mais importantes do disco para serem as primeiras de cada lado

“O caminho percorrido pela agulha em cada volta fará com que essas faixas tenham mais definição de agudos. Deixe as baladas para o final de cada lado”, recomenda o produtor.

  1. Mande seus arquivos já separados por lado A e B

Como o processo de corte do vinil é contínuo e não pode ser interrompido, facilite a produção para a fábrica e para o engenheiro de corte. Vale também considerar as dinâmicas possíveis dentro do álbum na escolha dessa divisão.

  1. Tente manter, no máximo, 18 minutos por lado

Apesar de o formato álbum geralmente comportar lançamentos a partir de 40 minutos de áudio, Arthur Joly não recomenda que um vinil tenha mais de 36 minutos. “Acima disso você vai perder volume final do disco, acarretando em mais ruído de fundo”, afirma. Caso seu trabalho tenha duração um pouco maior, considere deixar parte do material exclusivo em outros formatos, como o CD e o lançamento digital. Se a diferença for muito grande, vale avaliar a fabricação de um vinil duplo.

  1. Incentive as pessoas a comprarem boas vitrolas

Algumas marcas mais baratas de vitrolas vão, inevitavelmente, fazer seu disco pular, devido à sua estrutura frágil e limitada. Preserve seus vinis ao investir em bons aparelhos, que não danificarão os álbuns e tornarão a audição bem mais prazerosa, do jeito que deveria ser.

Para conhecer melhor o trabalho de masterização analógica de Arthur Joly, confira a página da Reco-Master no Facebook: www.facebook.com/recomasters

Anúncios

Um comentário sobre “Série Vinil: 7 dicas de masterização, segundo Arthur Joly

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s