Selo ou não selo: parcerias e independência no mercado fonográfico

12742611_1107276672624602_6593569431148491868_n
Parte do catálogo do Midsummer Madness, selo distribuído pela Tratore.
Foto: Reprodução Facebook

por David Dines

Quando um artista independente está para produzir um álbum, EP ou single, é possível optar por fazer todo o processo de distribuição e promoção de forma independente ou buscar eventualmente a parceria de um selo, que é uma pequena gravadora com recursos limitados, mas que pode ajudar artistas de diferentes formas em seus projetos criativos.
Mas quais são, na prática, as principais diferenças entre seguir um caminho completamente independente e trabalhar com um selo?

1. Custos e receitas

Dependendo do acordo, o selo pode pedir ao artista os fonogramas prontos ou pode financiar a produção musical, design, licenças e fabricação de forma parcial ou integral, descontando o dinheiro investido de rendas futuras. No entanto, o artista passa a receber um royalty que, de modo geral, vai 15% a 50% da arrecadação do selo sobre o fonograma. As contrapartidas oferecidas também variam muito. Em contraponto, em um acordo direto com uma distribuidora, toda a soma que iria para o selo segue para o artista, que, no entanto, precisa prover o material inteiramente pronto e fabricado, além de custear toda a promoção. Uma outra questão a ser discutida em um acordo com um selo é a disponibilidade de cópias físicas (CDs, vinis) para o artista. Muitos exigem que o músico compre as peças (por um preço menor que o de tabela) para revenda nos shows, mas também há casos em que o selo cede determinado número de cópias.

2. Exposição

Um selo pode ajudar seus artistas a aparecer para um público maior, a partir do momento em que fazer parte de um catálogo exclusivo já dá ao artista um senso de contexto e pertencimento a uma comunidade de determinado recorte musical. Mas, geralmente, um selo também trabalha a divulgação de seus lançamentos, seja com uma assessoria de imprensa ou com a compra de anúncios e propagandas. Um artista completamente independente absorve esses custos e a necessidade de mão de obra de divulgação dos seus lançamentos.

3. Propriedade intelectual

Em troca de todo o trabalho de produção e promoção do lançamento, um selo geralmente pede ao menos uma parte dos direitos futuros de exploração comercial da obra. Podem ser os relativos ao fonograma (de forma perpétua ou como um licenciamento por tempo determinado) ou à edição (cujos contratos, segundo a lei brasileira, expiram obrigatoriamente após 20 anos). É bom saber se as condições valem a pena, se a possível exploração comercial promete ser vantajosa e se você deseja ter um vínculo curto ou longo com o selo.

A Tratore é a principal distribuidora independente do Brasil e faz acordos tanto com artistas diretamente quanto com selos, para os quais temos algumas condições especiais. Consulte o Manual da Tratore no Fonomatic e, em caso de dúvida, entre em contato conosco pelo email contato@tratore.com.br.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s