Ressonância: Freak

freak

por David Dines

No segundo texto da série Ressonância, que compartilha um pouco da visão, estratégia e funcionamento de alguns dos principais selos independentes do Brasil, o blog da Tratore mostra um pouco do trabalho do selo, produtora e estúdio Freak, que tem base em São Paulo e artistas como Mel Azul e Cupin em seu roster.

A Freak surgiu como estúdio em 2010, montado pelos quatro integrantes da formação do Mel Azul na época: Antonio Carvalho, Antonio Paoliello, Gustavo Prandini e Alexandre Silveira. Ocupando um imóvel no bairro paulistano da Aclimação, os sócios começaram a oferecer serviços de gravação e produção de bandas, mixagem, gravação de locução, criação de trilhas sonoras, sound design, tratamento de áudio e mixagem para filmes e publicidade.

Depois de três anos de atividade, a Freak também começou a dedicar-se à produção de festas e eventos em São Paulo com música ao vivo e foco em trabalhos autorais, buscando formar público para novos artistas. “Com a consolidação das nossas ações, passamos a nos entender mais como um agente cultural a favor da música do que uma empresa  com vínculos estritamente comerciais no ramo musical”, conta o sócio Gustavo Prandini. Em 2015, surgiu o selo Freak e, no ano seguinte, a produtora/estúdio estabeleceu nova base na Vila Madalena.

Nesse meio-tempo, a sociedade também mudou: Alexandre Silveira deixou tanto a parceria quanto a banda em 2013. Pedro Luce, integrante da Cupin, adentrou a iniciativa em 2014. E, em 2016, André Bruni e Andres Tobal tornaram-se novos membros tanto da Freak quanto do Mel Azul.

Os primeiros lançamentos da Freak como selo foram os discos “Saboroso”, da banda Raça, “Hoje Foi Um Dia Fantástico”, do Monza, e o disco de estréia da Cupin, que foi o primeiro álbum da parceria com a Tratore para distribuição. Destes, apenas o disco do Raça chegou ao selo já pronto, enquanto os demais foram produzidos no estúdio Freak. “Pensamos nos próximos anos em trabalhar mais com produções da Freak e assim vincular melhor o estúdio ao selo, mas isso não é uma regra”, diz Gustavo Prandini.

Além das quatro bandas que formam a base do roster da Freak (Cupin, Mel Azul, Monza e Raça), o selo também prepara o próximo lançamento do trio de freak jazz Meio-Fio e avalia a possibilidade de lançar os novos trabalhos de Garotas Suecas (que já distribuiu dois títulos com a Tratore anteriormente) e Dois de Um. Ambas as bandas trabalham em novas canções no estúdio Freak no momento. Além do apoio na produção do fonograma, a Freak também faz o agenciamento e a assessoria de imprensa de seus artistas.

cupin.jpg(Cupin, uma das bandas do selo Freak, ao vivo no Festival CRIA, na Casa das Caldeiras. Foto: Rodrigo Gianesi)

Segundo Prandini, os critérios da Freak para trabalhar com novos músicos e bandas, tanto nos eventos quanto no selo, não se restringem a estilos musicais específicos. Além do som de qualidade, o artista já deve atuar de forma profissional e estar disposto a atuar de forma assertiva na parceria com o selo. “Analisamos a trajetória da banda, se tem discos ou EPs lançados, boa saída na imprensa especializada, identidade visual, videoclipe, se maneja bem as mídias sociais e se possui público seguidor. Buscamos escolher bandas com as quais a troca seja bilateral e possamos desenvolver um trabalho de divulgação em conjunto, podendo contar também com o apoio do artista”, afirma.

Na frente de eventos, a Freak fecha o ano de 2016 com 36 festas que agregaram um total de 106 shows, com artistas de São Paulo, Distrito Federal, Goiás, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Pará e Amazonas. A produtora faz três festas mensais em São Paulo (Xxxbórnia na Trackers, que já existe há quatro anos, e duas noites no Z Carniceria), além do Festival CRIA, realizado anualmente, de forma colaborativa, na Casa das Caldeiras, também na capital paulista.

Eventualmente, a Freak também expande suas ações para a área do audiovisual. Em 2013, a produtora realizou uma websérie, patrocinada pela Riachuelo, chamada Hip Rock Gira Brasil. “Filmamos uma turnê do Mel Azul por sete estados brasileiros e coletamos entrevistas com artistas e produtores locais sobre como era viver de música naquela cidade e momento. Este é um modelo de projeto que gostaríamos de fazer novamente, agora com mais conhecimento e envolvimento na cena”, afirma Prandini. Entre as atividades mais recentes nesse campo, está a parceria com a produtora de vídeo Rústica, que fez a cobertura do último Festival CRIA e tem um trabalho especial de suporte a músicos alternativos.

Os criadores do selo/estúdio/produtora enxergam o atual cenário do mercado da música de forma otimista. “Acompanhamos de perto o constante surgimento de novos artistas. Também surgem a cada dia novas oportunidades, eventos e festas com bandas, festivais crescendo, outros nascendo, cada vez mais profissionais qualificados na área e principalmente as marcas estão começando a investir dinheiro na música alternativa”, afirma Gustavo Prandini. O apoio de marketing empresarial é de grande importância estratégica para o desenvolvimento de trabalhos independentes, na opinião de Gustavo. O empreendedor e artista lista empresas do ramo da moda e vestuário (como Levi’s, Ray-Ban, West Coast e Chili Beans) e de bebidas (Red Bull, Jack Daniel’s e Heineken, entre outras) entre os principais investidores desse mercado na atualidade.

Na visão adotada pela Freak, o principal papel de um selo hoje é o de ser uma referência, um formador de opinião no meio musical. “Logicamente esse objetivo requer muito trabalho e existem vários caminhos para se chegar até ele, mas vejo que os selos estão traçando seus próprios caminhos e, com os recursos que possuem, seguindo adiante”, conclui Prandini.

Leia também:

Quer distribuir sua música com a Tratore também? Acesse: www.fonomatic.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s