37 formas de ganhar dinheiro com música – parte 1: autores e compositores

songwriting-2757636_960_720

por David Dines

Para ajudar artistas a diversificarem suas fontes de renda no meio independente, a Tratore começa uma série sobre atividades lucrativas ligadas à música. Neste primeiro texto, abordamos formas com que compositores podem ganhar dinheiro por suas criações, explicando também os fluxos de recebimento.


1. Royalties sobre obra gravada – lojas digitais

Renda gerada pela reprodução e compra de gravações das suas músicas em plataformas legalizadas de streaming e download. As lojas digitais pagam diretamente ao ECAD e à União Brasileira das Editoras de Música (UBEM) de acordo com o número de audições e compras das faixas, sem passar por distribuidoras e gravadoras.

Da parte que o ECAD recebe, o arrecadado é repassado às suas associações, que direcionam a renda às editoras ou aos compositores filiados. Do que a UBEM recebe, apenas editoras ou outros entes representados na instituição conseguem acessar os valores, sem a possibilidade de compositores diretos acessarem essa renda.

A Tratore tem uma ferramenta para esses fins, o Digi_Tratore, que permite que busquemos quantias retidas e repassemos aos compositores diretos que fazem parte do nosso catálogo.

2. Royalties sobre obra gravada – execução pública

Renda gerada pela reprodução de gravações das suas canções em eventos, espaços comerciais, rádios e TV. Os responsáveis pagam ao ECAD de acordo com o tipo de uso e o número de pessoas potencialmente expostas. A instituição repassa a renda às associações, que encaminham à editora ou diretamente aos compositores.

3. Royalties sobre interpretação de obra – execução pública

Renda gerada pela interpretação das suas músicas em shows monitorados pelo ECAD, por quaisquer músicos. Donos dos espaços e produtores dos eventos pagam ao ECAD de acordo com uma estimativa de renda do evento e o número de pessoas potencialmente expostas. A instituição repassa o valor às associações, que direcionam ao compositor ou à sua editora.

4. Exibição de letras

Renda gerada pela exibição licenciada de letras de música, seja em sites, ações publicitárias e outros tipos de uso público e comercial. Representantes da mídia em questão pagam às editoras e responsáveis, que então remuneram os autores. A Tratore pode intermediar ações desse tipo para compositores diretos que tenham assinado o acordo Digi_Tratore — mesmo em sites de letras de música, uma vez que temos acordo com a empresa norte-americana LyricFind para esses fins.

5. Licenças de sincronização

Renda gerada pela licença da obra de um artista para uso em produtos audiovisuais em circuito comercial (cinema, TV, publicidade, games, etc.). Representantes das mídias pagam às editoras e responsáveis, que então remuneram os autores.

A Tratore tem uma empresa-irmã, a Kiwiii, dedicada apenas a sincronização e pode fazer essa intermediação com o mercado — no entanto, para que entre no catálogo, é necessário que o responsável detenha todos os direitos não só sobre a obra, mas também sobre a gravação.

Os valores variam, principalmente, pelo tipo de uso, levando em conta a duração da música, a mídia na qual será usada, a visibilidade prevista e por quanto tempo dura o contrato.

6. Advance de editora

Quantia oferecida por uma editora para fechamento de contrato com um compositor. Geralmente trata-se de um adiantamento sobre arrecadações futuras. Em casos de compositores bastante rentáveis, também podem haver pagamento de quantias extras a título de “luvas”, para atrair esse profissional bem colocado comercialmente.

7. Criação de obra comissionada

Quantia fechada para a criação de uma composição original para um grupo, orquestra, intérprete ou outro tipo de entidade. Pagamento feito diretamente ao compositor ou à editora que media a ação.

8. Composição de obras para difusão

Trata-se da quantia paga pela criação de jingles originais, trilhas sonoras, temas incidentais ou outros trabalhos musicais exclusivos para filmes, TV e publicidade. Pagamento geralmente feito diretamente ao compositor pelo contratante do trabalho.

9. Venda de partituras

Renda gerada pela venda ou licenciamento da reprodução gráfica de obras como partituras. Pagamento feito ao compositor pela editora, ou diretamente pelo público, em caso de venda em shows, lojas físicas ou virtuais.

10. Prêmios para compositores

Ainda que pouco comuns hoje em dia em grandes centros, existem pelo Brasil e outros países festivais em que novas canções são premiadas em concursos. Uma iniciativa internacional importante nesse sentido é o Ibermúsicas, programa de fomento a artistas da América Latina que conta com concursos de canção popular, composição coral e temáticos, além de editais para residências artísticas para compositores, criação sonora com novas tecnologias e mais.

Leia também:

Anúncios

Um comentário sobre “37 formas de ganhar dinheiro com música – parte 1: autores e compositores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s