Dicas Tratore: Como masterizar sua faixa da melhor forma possível para o Spotify

02_Fig_2_LoudnessImagem: monitoração de loudness pelo plugin iZotope Insight, por Ask.Audio

por David Dines

O Spotify for Artists, plataforma do serviço de streaming dedicada ao relacionamento direto com os músicos, divulgou recentemente uma série de informações sobre execução de áudio e orientações para que as masters soem como deveriam na plataforma. Saiba mais:


1. Formatos de execução do áudio no Spotify

Quando você envia seu áudio para a Tratore, encaminhamos o fonograma para todas as plataformas em .wav, 44.1 kHz, 16 bits. O Spotify transforma esse áudio em diferentes formatos, dependendo da qualidade da conexão, da assinatura do usuário e de sua opção de qualidade de áudio. A conversão pode ser feita nos seguintes formatos:

– HE-AACv2, 24 kpbs (execução em baixa qualidade para Android)
– Ogg/Vorbis, 24 kbps (execução em baixa qualidade para iPhone e iPad)
– Ogg/Vorbis, 96 kbps (execução em qualidade normal para Android, iPhone e iPad)
– Ogg/Vorbis, 160 kbps (execução padrão no computador para usuários gratuitos e em alta qualidade para Android, iPhone e iPad)
– Ogg/Vorbis, 320 kbps (execução padrão no computador para assinantes e em altíssima qualidade para Android, iPhone e iPad)
– AAC, 128 kbps (execução em qualidade padrão no web player para usuários gratuitos)
– AAC, 256 kbps (execução em qualidade padrão no web player para assinantes)

2. O Spotify nem sempre tocará sua música na altura em que foi masterizada

Isso porque a plataforma utiliza a normalização de loudness (intensidade) na execução para os usuários, de modo que não haja grande diferença na percepção de volume entre uma faixa e outra. O loudness pode ser calculado por uma série de plugins disponíveis no mercado, como o iZotope Insight, o Waves WLM Plus e o gratuito Youlean Loudness Meter.

O loudness é calculado pelo Spotify usando o algoritmo ReplayGain. Em um futuro próximo, o serviço de streaming pretende trocar de algoritmo e utilizar o ITU 1770, que dimensiona a intensidade de áudio usando a escala integrada de LUFS como medida. Uma vez que o ReplayGain não trabalha com LUFS, o que o Spotify faz como procedimento padrão é adicionar 3dB sobre a resposta do ReplayGain, de modo a tornar o nível de loudness da faixa equivalente a -14dB LUFS na leitura do padrão ITU 1770.

A normalização de loudness ocorre em tempo real durante a execução de uma faixa no dispositivo, e não no processo de conversão do áudio. A plataforma avalia automaticamente os níveis de intensidade e aplica ganho positivo (para masters mais baixas) ou negativo (para masters muito altas) de acordo com a percepção do algoritmo. No caso de masters mais baixas, aplica-se também um limiter sobre o áudio final, ativado em -1dB, com tempo de ataque em 5ms e decay em 100ms.

Além do colocado como padrão para todos os usuários, o assinante premium também pode definir diferentes níveis de intensidade/altura para as músicas que escuta. Em termos técnicos, esses níveis podem ser definidos da seguinte forma:

Loud (alto): áudio com aproximadamente -11dB LUFS (acréscimo de 6dB sobre a resposta do ReplayGain)
Normal: áudio com aproximadamente -14dB LUFS (acréscimo de 3dB sobre a resposta do ReplayGain)
Quiet (baixo): áudio com aproximadamente -23dB LUFS (decréscimo de 5dB sobre a resposta do ReplayGain)

3. Recomendações do Spotify como padrão de loudness para masterização

Deixe como meta o nível integrado de LUFS em -14dB, com pico (True Peak) abaixo de -1dB. Esse é o melhor padrão para a conversão em Ogg/Vorbis e AAC para a plataforma, de modo que não haverá acrescimento de distorção no processo.

Se sua master está mais alta do que -14dB LUFS, garanta que os picos estejam abaixo de -2dB para evitar distorção adicional no áudio, uma vez que faixas nesse padrão de volume/intensidade e compressão são mais suscetíveis.

4. O que acontece quando a faixa não soa tão alta quanto deveria no Spotify?

Depende de como a normalização de loudness está atuando sobre a master, de modo a inserir ganho negativo sobre a faixa. Algumas possibilidades são:

– Você pode estar usando a medida errada para cálculo de LUFS — o ideal é a medida integrada, não o alcance (range) ou as respostas momentâneas ou em curto período (short time);

– Você pode ter informação inaudível em altas frequências na sua mix, de modo a confundir a percepção do ReplayGain, uma vez que os algoritmos de loudness não possuem filtro low-pass. Qualquer informação do tipo nessa faixa de frequência contará como elemento de energia na faixa e a gravação será percebida como mais alta do que de fato é;

– Sua master é muito alta, com picos muito acima de -2dB, o que faz com que seja adicionada distorção à sua faixa. Essa informação será percebida como elemento adicional de energia e altura na percepção do algoritmo;

– Sua master é mais alta do que deveria, mas não de forma extrema — por exemplo, uma faixa masterizada em -6dB LUFS. Nesse caso, não deverá haver distorção adicional, mas os picos poderão ser baixados em -8 dB LUFS. Comparando com outra faixa que tenha sido masterizada em -14dB LUFS, ambas terão a mesma percepção de intensidade no Spotify, mas os picos da faixa masterizada em -14dB serão percebidos de forma mais alta e definida.

Leia também:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s