5 formas de colaborar com outros músicos à distância

Captura de Tela 2020-05-13 às 10.56.15

por David Dines

O distanciamento social tem levado músicos a reinventarem seus métodos de produção musical, para continuarem trabalhando em lançamentos, vídeos e lives. No entanto, como fazer que uma colaboração com outro músico torne-se um processo fluido neste momento? O blog da Tratore separou algumas dicas, confira:


1. Criação de novas músicas

Nessa parte do processo, vale tudo. Trocar materiais via WhatsApp, Instagram, Facebook, e-mail, fazer chamadas de Zoom, FaceTime, Google Hangouts… tudo o que possa servir como ferramenta nesse momento do surgimento da canção. No entanto, o e-mail pode vir a ser a forma mais organizada desse tipo de comunicação, para que nenhuma ideia seja perdida no meio do caminho. Também pode ser interessante gravar a sessão, caso seja por vídeo – o Zoom permite esse recurso, por exemplo.

Há também novas formas remotas de colaborar com outros compositores, incluindo aqueles que você ainda não conhece. O aplicativo We Should Write Sometime (inglês para “Nós deveríamos escrever juntos algum dia”), para iOS e Android, teve um aumento de 61% no número de downloads nos Estados Unidos entre março e abril, segundo a revista Rolling Stone americana. O aplicativo permite encontrar outros compositores perto de você, por geolocalização, e realizar “matches” de acordo com o perfil musical, em uma lógica parecida com apps de relacionamento.

Já o SoundBetter, que pertence ao Spotify, permite que você se conecte não apenas com compositores e letristas, mas também produtores musicais e engenheiros de áudio de todo o mundo.

2. Gravações

Com a impossibilidade de juntar músicos em estúdio com o distanciamento social, uma solução é cada um gravar suas partes em casa, com o equipamento que tiver. Em um post anterior, demos algumas dicas para fazer suas primeiras gravações caseiras.

Para facilitar esse processo, envie uma gravação-guia para que os músicos usem como referência ao registrar suas partes. É importante, para a sincronia de todos os elementos da música, que cada um mande sua faixa começando junto do tempo zero da guia (0:00), ainda que o elemento tocado só entre depois no arranjo. O ideal é que todos também gravem com a ajuda de um metrônomo, para facilitar esse processo – e, claro, de fones de ouvido, para não haver vazamentos indevidos de áudio.

Se não for possível, por alguma restrição técnica severa, peça que seus colaboradores musicais incluam ao menos uma claquete no início da gravação – uma palma ou um barulho qualquer que mostre que o 0:00 da canção começa a partir dali. A claquete é uma técnica utilizada no audiovisual para facilitar o processo de edição.

É importante para as plataformas digitais que o áudio finalizado esteja em .wav, 44.1 kHz, 16 bits. Dessa forma, peça que seus colaboradores musicais enviem suas faixas na melhor resolução de áudio que puderem – se possível, já na resolução da gravação final ou mesmo superior a ela, tomando cuidado com os problemas que diferentes taxas de bits e samples podem causar em um projeto de DAW (saiba mais aqui).

3. Produção musical

Além do SoundBetter, há duas novas ferramentas importantes – e gratuitas – para colaboração remota com base em DAWs.

Uma é o Splice, uma plataforma de colaboração musical em nuvem que vem ganhando muita popularidade e permite que você suba projetos de Ableton Live, Logic e FL Studio e compartilhe com seus colaboradores, de forma ilimitada. Com isso, é possível dividir todos os detalhes da gravação, mixagem e finalização com outro produtor musical e cada um atualizar o projeto para todos os envolvidos a cada modificação.

Outra plataforma que funciona de maneira similar é o Blend, que dá suporte para essas DAWs mais Garageband, Maschine, Cubase, Nuendo e Reason, entre outras possibilidades. O único detalhe importante para um bom fluxo de trabalho nessas duas plataformas é que todos os envolvidos devem utilizar a mesma versão da DAW escolhida.

4. Vídeos

Para captar vídeos e sincronizá-los com diferentes músicos na edição final, é importante que haja a claquete e, caso possível, todos estejam executando de fones com metrônomo – se não, que a caixa de som que faz o papel de retorno para o músico esteja com volume baixo, pelo menos. É sempre ótimo que o áudio também esteja sendo captado separadamente da câmera ou celular, com uma interface de áudio conectada a uma DAW, garantindo assim a qualidade da gravação. Uma vez finalizada essa etapa, os músicos deverão mandar todo o material para um dos parceiros, para os processos de edição e mixagem fiquem centralizados.

5. Lives

O mais importante em fazer uma live com outro músico participando à distância é o cuidado com a latência – ou seja, o delay, a demora na chegada do áudio entre as transmissões. Se você quiser experimentar tocar junto nesse momento, o músico que faz a harmonia terá que dilatar um pouco (ou bastante) o tempo da canção para quem conduz a melodia, tocando acordes em legato e sem muita estrutura rítmica. No entanto, o ideal é ser cada um tocando por vez, já que é praticamente impossível ter sincronia perfeita – quando houver, saiba que é material captado previamente e editado.

Leia também:


Tratore é a maior distribuidora de música independente do país, com mais de 10 mil artistas em catálogo. Desde 2002, disponibilizamos álbuns, EPs e singles em lojas físicas e digitais do Brasil e do mundo. Para distribuir sua música conosco, acesse: http://www.fonomatic.com.br

Um comentário sobre “5 formas de colaborar com outros músicos à distância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s