Como fazer um acordo de banda?

por David Dines

Você tem uma banda, mas quer se prevenir diante de desavenças e situações desagradáveis que possam surgir no futuro junto a seus companheiros? A melhor maneira é redigindo um contrato de acordo de banda, em que ficam estabelecidas de antemão certas decisões que podem ser espinhosas no futuro. De preferência, é bom consultar um advogado, mas o blog da Tratore aponta 9 assuntos que esse acordo deve abordar:


1. Direito ao nome da banda

É importante definir quem pode utilizar comercialmente o nome da banda. A marca pertence à banda ou ao membro-fundador? Ou a apenas um grupo de integrantes? Quem se responsabiliza pelo registro da marca? A entidade responsável no Brasil, o INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual), aceita pedidos de pessoas físicas e jurídicas, e a licença para uso do nome precisa ser renovada a cada 10 anos.

2. Processos decisórios

As decisões estratégicas que dizem respeito à banda devem ser tomadas a partir de voto da maioria ou de unanimidade? A forma prioritária de escolha vale para todos os assuntos, ou apenas para alguns específicos? Todos os integrantes têm pesos decisórios iguais?

3. Obras

Quem assina a autoria de cada música? Somente quem de fato compôs as canções ou a autoria (e sua devida remuneração) é dividida igualmente entre os integrantes, como um acordo de igualdade na repartição de rendas?

4. Fonogramas

Quem detém os direitos, caso as gravações pertençam à banda e não a um selo ou gravadora? Oficialmente, o produtor fonográfico é aquele que financiou a gravação. Há como cadastrar junto à sua sociedade um fonograma com mais de um produtor fonográfico, dividindo a rubrica entre os integrantes.

5. Saída de integrantes

Os membros remanescentes podem continuar usando o nome do grupo e tocando as canções compostas pela pessoa? Há um ou mais integrantes sem os quais a banda não pode continuar usando o nome?

Dependendo da circunstância, pode ser bom que o contrato estabeleça um prazo razoável para a saída de um integrante diante do cumprimento de compromissos contratuais importantes, como um grande show ou festival.

Também é importante criar uma estrutura organizada para pagamento desse integrante em lucros futuros sobre os trabalhos que realizou – ou considerar a possibilidade de os demais membros comprarem sua “parte” na banda, pagando em dinheiro uma estimativa razoável de acordo com projeções de arrecadação sobre o catálogo.

De toda maneira, aquilo que é de direito do ex-integrante quando suas canções e gravações com a banda são executadas publicamente (em rádio, TV e afins) pode ser recebido diretamente pelo músico junto à sua sociedade de autor.

6. Posse dos equipamentos

Equipamentos comprados para a banda, com divisão dos custos, pertencem à banda ou são de integrantes específicos? Se ficam sendo de membros individuais, está previsto algum tipo de ressarcimento aos companheiros, ou ao caixa da banda?

7. Administração da receita

É importante definir também para onde vai a receita – será criado um fundo coletivo para a banda ou há divisão das rendas diretamente entre os membros? Será informal ou por meio de uma conta bancária? Como os custos coletivos serão cobertos?

8. Formalização

Será necessária a criação de uma pessoa jurídica para a banda? Geralmente, isso é necessário apenas em casos de editais e eventos nos quais é preciso emitir nota fiscal. Que tipo de pessoa jurídica é a mais indicada no contexto? Se a receita ainda for pequena, o MEI de um dos integrantes pode cumprir algumas dessas funções, mas se houver um fluxo de caixa maior, há de se definir o tipo de sociedade junto a um contador.

9. Encerramento da banda

Em que circunstâncias pode ser decretado? Uma vez finalizada a banda, como será a dissolução legal, a distribuição dos ativos (rendas, dívidas, equipamentos), royalties e rendas futuras?

Reiterando, é sempre importante consultar um advogado para oficializar um documento desse tipo, mas é ótimo ter esses assuntos discutidos com seus companheiros o quanto antes, para evitar mal-entendidos lá na frente.

Leia também:

Tratore é a maior distribuidora de música independente do Brasil, com mais de 30 mil artistas em catálogo e 8 mil contratos ativos. Desde 2002, disponibilizamos álbuns, EPs e singles em lojas digitais em todo o mundo. Para distribuir sua música conosco, acesse: http://www.fonomatic.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s